20/11/2014

Passos Coelho - O Esquecido

Há que ter paciência para ler até ao fim, mas sempre se fica a saber um pouco mais deste dito Primeiro0 Ministro

"A empatia foi imediata. No primeiro almoço entre Fernando Madeira, fundador e patrão da Tecnoforma, e o então deputado do PSD Pedro Passos Coelho, no início de 1996 (peixe grelhado degustado num restaurante à beira-Tejo), um inesperado e agradável assunto de conversa surgiu, antes de irem ao que interessava. Ambos descobriram que tinham lido O Fenómeno Humano, do filósofo francês e padre jesuíta Theilhard de Chardin (1881/1955), que exultava o "estofo" do Homem.

Theilhard de Chardin era um otimista incorrigível, a ponto de acreditar que o Vaticano aceitaria a equiparação que defendia entre a Razão material e o dogma da Fé - tese que lhe valeu uma longa proscrição. Mas fiquemo-nos só pelo otimismo, para agarrar a história de Fernando Madeira, alentejano de Evoramonte, com curso interrompido de engenheiro no Instituto Superior Técnico, em Lisboa. Em fins dos anos 1970, é formador profissional na Lisnave, que agonizava. Não hesitou um minuto, pois, quando, em 1980, recebeu um convite para se tornar supervisor de formação da Cabinda Gulf Oil, detida pela petrolífera americana Chevron, em Angola. Dois anos depois, numa pequena sala alugada num prédio da Av. da República, no centro de Lisboa, já trabalha sozinho na sua firma, a Ergoform, que fatura à Cabinda Gulf Oil manuais, slides e outro material didático para os formandos da companhia. Em 1984, arranca com a Tecnoforma e, em 1986, instala uma offshore na ilha de Jersey (Inglaterra), a Form Overseas, Ltd., que se transforma na placa giratória dos fluxos financeiros faturados à Cabinda Gulf Oil, 5 a 6 milhões de dólares por ano, na década de 1990, "nivelando por baixo", corrige fonte conhecedora.

Foi este homem, com 52 anos em 1996, que o jovem deputado Passos Coelho, 20 anos mais novo, muito impressionou, quando Fernando Madeira quis criar uma Organização Não Governamental para o Desenvolvimento (ONGD), de que a Tecnoforma seria o mecenas. Ao aceitar ser presidente do Centro Português Para a Cooperação (CPPC), afinal o objetivo do almoço em que Theilhard de Chardin foi falado, Passos Coelho começou de imediato a elencar as pessoas certas para o conselho de fundadores. Formulou os convites, todos bem sucedidos, e explicou-os a Fernando Madeira: alguém próximo do então PR, Jorge Sampaio (seria Júlio Castro Caldas, à época bastonário da Ordem dos Advogados), do Governo de António Guterres (o deputado do PS Fernando de Sousa), da oposição (Marques Mendes, líder parlamentar do PSD), da Comunicação Social (Eva Cabral, na altura jornalista do Diário de Notícias e hoje assessora política do primeiro-ministro) e até um dirigente maçónico (coronel Oliveira Marques). Vasco Rato, atual presidente da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento, que tem sido mencionado como outro dos fundadores, não consta do documento constitutivo, mas participava em refeições de trabalho, sobretudo jantares, convidado por Passos Coelho.

De resto, vê-se agora que Passos Coelho se socorreu, igualmente, de gente da sua confiança para a lista do CPPC, como o gestor Luís Flores de Carvalho (hoje presidente da Parque Escolar) ou o médico Jorge Penedo (atualmente assessor técnico do ministro Paulo Macedo e membro da direção clínica do Centro Hospitalar de Lisboa Central). Juntaram-se-lhes os juristas João Luís Gonçalves e Filipe Fraústo da Silva, secretário-geral e presidente do Conselho de Jurisdição da JSD, respetivamente, quando Passos Coelho dirigiu esta estrutura do PSD (1990/1995).

Foi, aliás, numa sala da sociedade de advogados em que Fraústo da Silva trabalhava, na Av. da Liberdade, em Lisboa, que a ?11 de outubro de 1996 ocorreu a constituição notarial do CPPC. Ângelo Correia era suposto ser também um dos fundadores, mas, relatam testemunhas, esteve ali poucos minutos: contou uma anedota sobre Guterres (um pastor que, em vez de conduzir o rebanho, se colocava no meio das ovelhas) e saiu, sem apor a sua assinatura no documento.

Sabe-se, de fontes fidedignas, que João Luís Gonçalves, escolhido para diretor do CPPC, para coadjuvar Fernando Madeira, viu ser-lhe atribuído um Audi de serviço, ?adquirido pela Tecnoforma em regime de leasing. Também ao deputado do PS Fernando de Sousa, eleito presidente da Assembleia Geral da ONGD, foi entregue um automóvel para seu uso, no caso um BMW, comprado nas mesmas condições. Já o presidente, Passos Coelho, afirmou e reafirmou ao Parlamento, recentemente, que trabalhou pro bono, a propósito da controvérsia acerca do seu pedido de subsídio de reintegração (cerca de €60 mil), concedido em 2000 pelo então presidente da AR, Almeida Santos, após o atual primeiro-ministro ter declarado que, entre 1991 e 1999, desempenhou em regime de exclusividade as funções de deputado.

'Ouro negro' a fugir entre os dedos

Fernando Madeira e a sua equipa trabalharam no duro, para rapidamente cumprirem uma exigência do Governo de Eduardo dos Santos - a "angolanização" dos quadros básicos e intermédios das multinacionais petrolíferas que exploravam o ouro negro no país. E a Cabinda Gulf Oil não podia ter ficado mais satisfeita. "Em 1986, todos os operadores de produção já eram angolanos", conta um daqueles elementos.

Como prémio, a participada da Chevron libertou a Tecnoforma da "exclusividade" a que estava amarrada, sem deixar de colaborar com a Cabinda Gulf Oil. Ou seja, a empresa de Fernando Madeira podia trabalhar, em Angola, com outras petrolíferas. ?O empresário costuma dizer que, por essa altura, a Cabinda Gulf Oil lhe "impôs" a criação de uma offshore, vantajosa para todos. E, ainda em 1986, nasceu a já referida Form Overseas, Ltd., em Jersey, e com conta no Barclays. A offshore transforma-se na placa giratória dos fluxos financeiros da Tecnoforma - que passa a prestar serviços à Form Overseas e é paga por isso. Milhões de dólares são anualmente faturados à Cabinda Gulf Oil/Chevron pela Form Overseas, que faz chegar o dinheiro à Tecnoforma.

Os benefícios eram evidentes. Com o ?outsourcing, a Cabinda Gulf Oil retirava da sua folha de salários duas dezenas de funcionários estrangeiros ("angolanização" oblige); esses formadores recebiam, em Portugal, os seus ordenados em dólares (e limpos), provenientes da offshore, quando, na altura, as empresas do País estavam proibidas de pagar aos trabalhadores em divisas estrangeiras; e a Tecnoforma tinha uma carga fiscal mínima.

Até 1994, a empresa carburou ao máximo. No Instituto Nacional de Petróleos (INP) de Angola, conseguiu chutar uma subsidiária da multinacional italiana ENI e tomar-lhe o lugar na formação profissional. Prestava serviços, além da Chevron, à ELF e BP. Para consolidar o "bom nome", fazia quase de borla cursos administrativos, de inglês e informática, no gabinete da Presidência da República, e nos Ministérios da Agricultura e da Defesa.

Mas um dos grandes orgulhos de Fernando Madeira, diz-se, foi a realização de uma conferência de dois dias (14 e 15 de julho de 1993), em Luanda, sobre Formação e Gestão em Angola, no 10.º aniversário do INP. Estiveram presentes os embaixadores português, americano e francês, e a então ministra angolana do Petróleo, Albina Assis.

Na sede da Tecnoforma no Pragal, Almada, geriam-se, mediante o pagamento de uma comissão, bolsas de estudo a angolanos enviados pela Sonangol (a empresa estatal de petróleo em Angola) ou por multinacionais como a ELF, para ingressarem no ensino superior em Lisboa e Coimbra. A empresa tratava-lhes da instalação, de assuntos vários e da gestão das verbas.

Era a "angolanização" em curso, que muito dinheiro deu a ganhar à Tecnoforma, mas que passa a ser uma ameaça. Em 1995, aqueles e outros estudantes começaram a regressar e, de canudo na mão, ocupavam ?lugares-chave nas petrolíferas - incluindo a formação profissional. Fernando Madeira apercebeu-se de que o vento estava a virar e a empresa precisava de mudar de agulha. Havia duas experiências anteriores promissoras. Em 1992, logo após o fim da guerra civil em Moçambique, a Tecnoforma concretizou naquele país, com financiamento do Instituto da Cooperação Portuguesa, um programa de reintegração na vida civil de ex-militares do Exército e de ex-guerrilheiros da Renamo. Em Angola, em 1994, com verbas do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento e da Organização Internacional do Trabalho, fez um levantamento nacional das condições de formação para o emprego.
Mas aquele começava a ser o tempo das ONGD, com estatuto de utilidade pública, isenção de IRC e acesso ao mecenato. ?E Fernando Madeira foi aconselhado a criar uma estrutura dessas, que se candidatasse a fundos comunitários e do Banco Mundial. É aqui que nasce o CPPC e, pouco depois, Passos Coelho atravessou-se-lhe no caminho.

O 'salvador' Passos Coelho

Fernando Madeira diz a um dos seus diretores, Sérgio Porfírio, que é preciso constituir uma ONGD. Por mero acaso, Sérgio Porfírio conhece João Luís Gonçalves, que fora secretário-geral da JSD, quando Passos Coelho dirigia a Jota do PSD. Diz-lhe que está envolvido na montagem de uma ONGD e que necessita de um "político credível" para presidente. João Luís Gonçalves sugere Passos Coelho. Sérgio Porfírio leva o nome ao patrão da Tecnoforma, que o aprova. O que se passou logo a seguir está atrás relatado.

Oficialmente, "o CPPC procurava dar resposta a necessidades detetadas pela Tecnoforma em Angola, Cabo Verde e Moçambique, para as quais a fórmula mais adequada seria uma ONGD". No Pragal, na sede da empresa, o n.º 13 era o da Tecnoforma e o?n.º 9 o do CPPC, mas, no interior das instalações, uma porta ligava os corredores de uma e do outro.

Em março de 1997, Passos Coelho voltou a impressionar Fernando Madeira quando lhe telefonou a dizer: "Prepare-se que vamos a Bruxelas. O João de Deus Pinheiro vai receber-nos." Voaram em executiva, no dia 10, e o então comissário europeu deu-lhes uma indicação importante - havia verbas do Fundo Social Europeu disponíveis para cursos de Função Pública em Cabo Verde e nos outros PALOP.

De seguida, Fernando Madeira e João Luís Gonçalves puseram-se a caminho de Gaia, de carro, ao encontro do professor Luís Mota de Castro, um contacto intermediado pelo deputado do PS Fernando de Sousa. Mota de Castro havia sido docente na Universidade Eduardo Mondlane, em Maputo, e podia fornecer um input relevante para o projeto de Cabo Verde, dado o conhecimento que tinha da realidade africana. E assim aconteceu, através de um documento que entregou ao CPPC.

A 1 de novembro de 1997, Passos Coelho e Fernando Madeira voltaram a voar em executiva, agora com destino à Cidade da Praia, capital cabo-verdiana. Esta diligência, porém, revelar-se-ia um desastre. As autoridades pareceram não estar avisadas da visita, que pretendia apresentar o projeto de um Instituto Superior de Formação em Gestão e Administração Pública. O ministro cabo-verdiano da Educação encontrava-se em Lisboa. Algo descortês, Passos Coelho deixou Fernando Madeira sozinho, durante dias, e foi arejar para outras paragens da ilha de Santiago. Só foi possível marcar uma reunião com o diretor-geral da Educação para a manhã do dia 4 - o que parece ter resultado de um telefonema de Passos Coelho para o ausente ministro cabo-verdiano. Mas Passos não acompanhou Madeira naquele encontro com o dirigente cabo-verdiano.?O diretor-geral chumbaria o projeto do CPPC - queria uma universidade e não um instituto de formação intermédia.

Um projeto para Angola, de promoção de "emprego para o desenvolvimento", seria também chumbado. Porém, Passos Coelho voltou a estar à altura do que Fernando Madeira dele esperava quando foi preciso obter de Isaltino de Morais, presidente da Câmara de Oeiras, uma "carta de interesse" por um curso de costura (que começou em março de 1998), no então bairro de barracas da Pedreira dos Húngaros, sobretudo habitado por cabo-verdianos, e subsidiado pelo Fundo Social Europeu (FSE). Aquela "carta de interesse" de Isaltino, aliás, até chegou ao CPPC antes mesmo de o autarca receber em audiência formal a ONGD, representada por Passos e Madeira. Já a verba canalizada pelo FSE é, na verdade, desconhecida. ?O Instituto do Emprego e Formação Profissional, após insistentes pedidos de consulta da VISÃO, acabou por responder que não encontrava o processo respetivo.

Passos ainda daria jeito ao "patrão" da Tecnoforma na escrita do último relatório de atividades do CPPC, relativo a 1998 e com uma projeção de orçamento para 1999. Fernando Madeira pediu socorro ao deputado e presidente da ONGD, porque não sabia mesmo como arrancar com o texto. Só o projeto da Pedreira dos Húngaros fora concretizado, era muito pouco. Num ápice, Passos Coelho escreveu os dois primeiros parágrafos do relatório. "O ano de 1998 não foi particularmente feliz à concretização das atividades inicialmente projetadas", começava, para depois destacar que, "independentemente de tais factos, não podemos deixar de realçar os ensinamentos recolhidos da experiência adquirida". Conta quem sabe: "Não se atrapalhou nada - num instante deu a volta àquilo."

Fontes ligadas ao processo estimam que a Tecnoforma injetou no CPPC cerca de €225 mil, no conjunto de três anos - 1997, 1998 e 1999. É um montante muito acima das verbas inscritas nos mapas contabilísticos da ONGD, arquivados no Instituto Camões e subscritos por um técnico oficial de contas, José Duro, que faleceu em 2004. Em teoria, o chamado Balancete Analítico é suposto ser mais pormenorizado e assertivo, mas parece que, até ver, ninguém sabe onde tal documento se encontra.

Nas conversas mais distendidas, à imagem daquela sobre Theilhard de Chardin, houve quem se apercebesse, à época, que Passos Coelho falhara a leitura de O Príncipe, de Maquiavel. Uma lacuna grave, dir-se-ia, em alguém que aspirava a altos voos políticos"


Ler mais: http://visao.sapo.pt/a-vida-esquecida-de-passos-coelho=f799147#ixzz3JcziWAqO

Estado Islâmico

 Sem mais palavras - tanta gente boa para ser ajudada e estes criminosos ajudam outros criminosos


Estado Islâmico "Vim para ajudar", 
diz lusodescendente que decapita pessoas

Abou Uthman (à esquerda na imagem) é um jihadista do Estado Islâmico. Curiosamente, tem também origens portuguesas. Há mais de um ano que combate na Síria e recentemente surge em mais um vídeo de decapitação. A Sábado falou com ele via Twitter semanas antes, numa entrevista publicada na edição de hoje da revista.

REFORMADOS - sempre atacados

Este senhor, como professor, que diz que é, tem que ser ensinado.

E Maria do Rosário Gama, ensina: 

Cada vez que se pronuncia sobre reformados, JCN só diz asneiras. Desconhece que o sistema de pensões se baseia, não nos impostos dos jovens, que têm vários destinos, mas em 11% do seu vencimento, desconto que os mesmos fazem para a Segurança Social, enquanto trabalhadores no activo, assim como os actuais reformados já o fizeram para gerações anteriores. E os impostos dos reformados para que servem? Esta perseguição aos reformados é cíclica, por parte deste e de outros comentadores da nossa praça que, certamente, já acautelaram as suas reformas e por isso podem "cantar de galo". Gostaria de os ver criticar o desemprego jovem e não jovem, a emigração em massa dos jovens, a precariedade do mercado de trabalho, os cortes nos complementos de pensões dos trabalhadores do sector empresarial do Estado, o aumento de 2,59€ mensais para as pensões mínimas, os cortes nas prestações sociais, os casos de corrupção, os roubos aos contribuintes por má gestão da banca, a incompetência do governo, a passividade do Presidente da República... mas não! "Cortem-se pensões porque eles aguentam" E enquanto estes senhores tiverem tempo de antena e os reformados se mantiverem apáticos e não se unirem, este discurso vai penetrando e estas medidas surgirão como uma inevitabilidade!

César das Neves "O inimigo dos reformados não é o Governo"
O professor universitário João César das Neves escreve esta quarta-feira, no seu espaço de opinião no Diário de Notícias, que a “outra face” da crise é a de que as pensões estão “há muito” a ser “sustentadas pelos impostos dos jovens”. O economista assegura ainda que “o inimigo dos reformados não é o Governo, é a aritmética”.

Paula Teixeira da Cruz mente?

Paula Teixeira da Cruz, ministra que mente
A ministra da Justiça teve dois dos seus detidos no Labirinto, mas confrontada com essa responsabilidade fez o que seria de esperar nela, disse que a responsabilidade era da CRESAP, que os tinha proposto na sequência de um concurso.

Mas a senhora teve azar, nos concursos em causa não se chegou a uma lista final por parte da CRESAP pelo que a escolha foi da inteira responsabilidade da ministra.
Enfim, incompetente, ignorante, matreira e mentirosa. pobre mulher e pobre país que a tem como ministra.

 

 

O Embondeiro, gigante da Savana, a Árvore Sagrada de Angola...

 

 

 

 

O Embondeiro é considerado uma árvore sagrada, inspirando poesias, ritos e lendas.
Segundo uma antiga lenda africana, por exemplo, uma vez que um morto seja sepultado dentro de um embondeiro, a sua alma irá viver enquanto a planta existir.
Também se diz que a alma dos mortos se pendura nos seus ramos.
Curiosamente, essa árvore tem uma vida muito longa, podendo chegar até seis mil anos.
Só a sequóia e o cedro japonês podem competir com a longevidade do embondeiro.
Cabe salientar que esta planta foi amplamente divulgada no século XX, através da obra O Pequeno Príncipe, do escritor francês Antoine de Saint-Éxupery.

O seu nome científico é Adansonia Digitata, mas é também conhecida como Baobá Africano.

O embondeiro possui um tronco muito espesso na base, chegando a atingir até nove metros de diâmetro.

O seu tronco vai-se estreitando em forma de cone e apresenta grandes protuberâncias.

As folhas brotam entre os meses de Julho e Janeiro.

Em geral, o imbondeiro floresce durante uma única noite, apenas, no período de Maio a Agosto.

Durante as poucas horas da abertura das flores, os consumidores de néctares nocturnos – particularmente os morcegos -, procuram assegurar a polinização da planta.

Tudo no embondeiro serve para a sobrevivência do ser humano.

Vale ressaltar que esta árvore também se constitui em uma fonte preciosa de medicamentos..

As suas folhas são ricas em cálcio, ferro, proteínas e lípidos, para além de serem usadas como um poderoso anti-diarreico e para combater febres e inflamações.

Um pó feito de folhas secas vem sendo utilizado para combater a anemia, o raquitismo, a disenteria, o reumatismo, a asma, e é usado, ainda, como um tónico.

O seu fruto é denominado Múcua.

A casca do fruto, é utilizada pelas pessoas como tigelas.

A polpa e a fibra de seus frutos são capazes de combater a diarreia, a disenteria e o sarampo.

O cerne da fruta combate a febre e inflamações no tubo digestivo; as sementes estão repletas de óleo vegetal, podendo ser assadas, moídas e consumidas como uma bebida que pode substituir o café.

Derrubar um embondeiro é um sacrilégio em Angola.

No que diz respeito à construção e carpintaria, ele só é utilizado quando não há um outro material mais adequado.

A sua madeira serve para a construção de instrumentos musicais e o seu cerne rende uma fibra forte usada no fabrico de cordas e linhas.

 

 

 

 

 

 

 

 

Michael dos Santos


Estes "meninos" tem lixo dentro e fora da cabeça e, devem ser, todos, considerados perigosos criminosos

Maria Luís Albuquerque


Sacode a  água do capote

Sócrates - mas que fantasma

O fantasma de Sócrates paira sobre muitas mentes..

" Valham-nos todos os anjos e arcanjos, mas que passou na cabeça de Costa para reabilitar Sócrates? O embevecimento com Sócrates durante a campanha das primárias já foram difíceis de entender se não como uma debilidade de Costa face ao aparelho do PS."" ( Observador)

Vistos Gold

Acabou a sessão dos media sobre o que se passava a cada momento nos   interrogatórios de todos os intervenientes no processo Labirinto.
As televisões passaram a dar apenas pequenos comentários com pouco interesse sobre o tema.
Acontece que no momento em que esse "filme" acabou, outro se nos apresenta e emdirecto: a comissão de inquérito ao BES.
Vamos ter filme durante muito tempo, com cenas repetitivas

Maria Luís Albuquerque




A mim não me enganas tu!

18/11/2014

Operação Labirinto medidas de coação


  1.  Operação Labirinto


Aplicação de medidas de coação



Fuga ao segredo de Justiça dis que:

O Ministério Público pediu esta tarde, nas alegações finais, ao juiz Carlos Alexandre, que o presidente do Instituto de Registos e Notariado (IRN) António Figueiredo ficasse em prisão preventiva e ao que a TVI24 apurou, a medida de coação aplicada ao presidente e a um empresário chinês é realmente de prisão preventiva.
Também o diretor do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, Manuel Paulos vai ficar em prisão preventiva, assim como Jaime Gomes, sócio gerente da JMF – Projects & Business, a empresa de que é sócia Ana Luísa Oliveira Figueiredo (filha do presidente do IRN).
António Figueiredo é apontado como um dos principais suspeitos da Operação Labirinto. O seu interrogatório durou mais de seis horas e iniciou-se na segunda-feira. Entre os arguidos estão também Manuel Jarmela Paulos, director nacional do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, Maria Antónia Anes, secretária-geral do Ministério da Justiça, e Maria Albertina Gonçalves, secretária-geral do Ministério do Ambiente.
Os arguidos estiveram detidos durante cinco dias, na sequência de uma megainvestigação que envolveu mais de 200 inspectores da Polícia Judiciária.

[Notícia em atualização]

Moção de censura a Juncker é iniciativa da direita eurocética

Com ou sem moção, Juncker tem o tacho garantido, pois vergonha não tem.

"A moção de censura à Comissão Europeia hoje apresentada ao Parlamento Europeu resultou da iniciativa dos eurocéticos populistas de direita liderados por Nigel Farage e não do Grupo da Esquerda Unitária, segundo fonte parlamentar."

Governo mal visto e criticado

No Governo não há burros, só há... fora do Governo.
Mias uns que não concordam co Passos Coelho e Companhia.

"A consolidação orçamental em contexto recessivo falhou no seu propósito. Aprofundou a recessão e, sem reduzir o défice, impôs mais custos para uma provisão pública de bens e serviços e uma proteção social menos acessível e de pior qualidade", diz o documento do observatório.
O Orçamento para 2015 foi comparado com o exercício de 2007, tendo em conta que este foi "o último antes da eclosão da Grande Recessão".
Para os investigadores do Observatório "a imagem que emerge do orçamento para 2015 é a de um Estado deformado pelo serviço da dívida e outras despesas que aumentaram, algumas por causas estruturais, outras induzidas pela própria recessão e por uma coleta fiscal injustamente repartida".
Segundo a análise feita, as políticas de consolidação orçamental dos últimos anos, "ao forçarem o reequilíbrio, contraíram a atividade económica".
"Ao mesmo tempo, induziram importantes alterações estruturais no próprio Estado, nomeadamente, a redução do número de efetivos, desarticulação da administração pública e a crescente subcontratação de funções públicas; o retrocesso na garantia dos direitos económicos, sociais e culturais, e a erosão das funções redistributivas da fiscalidade", diz o Barómetro.
Os investigadores consideram ainda que "a par da ineficácia da política seguida para a consolidação orçamental, a proposta de Orçamento de Estado para 2015 possui diversos elementos parcamente explicitados, mas que se traduzirão num aumento das desigualdades e do desequilíbrio de esforços pedidos aos diversos extratos sociais".
Por isso, o CES promove na quinta-feira, em Lisboa, um debate com o tema "OE2015: Opacidades e insensibilidade social", que contará com a participação de António Bagão Félix, João Ferreira do Amaral e José Castro Caldas. (NoticiasaoMinuto)

Ministra Administração Interna

Ministra é Ministra.
E um Ministro desenvolve uma actividade política.
Pode eventualmente acumular a sua sapiência e cultura universitária com os conhecimentos de política, mesmo que empíricos da Ciência Política.
É raro que um bom "Professor" dê um bom Político.
Arriscar é mau para o País

Operação Labirinto

Procuramos na Internet, algumas notícias sobre o desfecho da Operação Labirinto, nesta fase em que se espera saber as medidas de coacção que podem vir a ser aplicadas aos detidos desde quinta-feira- Dizemos quinta-feira, mas poderia, ser sexta-feira ou sábado, porque, embora sendo muitos os cidadãdos a ouvir e a declarar perante o Juiz, já lá vão uns dias.
Para um portugues "normal", medianamente inteligente e sem quaisquer conhecimentos destes meandros das inquirições, bem há-de julgar que toda aquela gente que tem passado as últimas noites nos calabouços da Judiciária,  está metida em grandes trabalhos.
Continuamos a aguardar por novas e mandados, em bom dialeto alentejano, mas que a "coisa" é grave, ai é, é mesmo.

Mario Soares, escreve...

Mario Soares, com muita razão.
Este Governo tem vendido tudo o que dava luicro... agora, a meio ano de novas eleições, apresta-se para vender uma empresa que ostenta, +por muitas partidas do Mundo a nossa bandeira

"Altamente apreciada pela totalidade dos portugueses. Mas não apenas por estes, porque é reconhecida no mundo como uma empresa de referência de grande nível, indispensável, em especial, a todos os países da lusofonia. O atual governo, que tem vendido tudo o que é importante e lucrativo em Portugal, prepara-se também para vender este grande símbolo. Trata-se de um ato antipatriótico que vai produzir mais uma reação firme do povo português, já tão desalentado e empobrecido."  (  DN)

ANGOLA - José Eduardo dos Santos

Porque não te calas?
De onde vem tanto dinheiro? E a ...  maioria do Povo Angolano viver na miséria?

Por muito que se esconda, podemos saber o que se passa em Angola com a oligarquia que vive do Estado, ganha do Estado, dos negócios do Estado e do privado igualmente à conta do privado.



O Jornal de Angola voltou hoje a criticar Portugal num editorial que refere que “fazer carreira política” naquele país envolve “dizer mal” do Presidente, José Eduardo dos Santos, dos políticos e dos empresários angolanos.
Num extenso editorial intitulado de “Uma atitude desleal“, e que já no final é explicado com alegadas referências na comunicação social portuguesa ao envolvimento de cidadãos angolanos no caso dos vistos “gold”, o jornal estatal recorda que os empresários nacionais “investiram milhares de milhões de euros em Portugal nos últimos seis anos”.
“Primeiro, por causa dos afetos, depois pelos negócios. E o investimento em Angola tem uma vertente: ajudar um país irmão a debelar a crise e superar as dificuldades económicas e financeiras em que está mergulhado. Noutro sentido, milhares de portugueses procuram também trabalho em Angola. Todos são bem-vindos, embora alguns se comportem como ocupantes”, lê-se.
Recorda que os angolanos “investiram em todos os setores da economia portuguesa”, que os empresários portugueses “fizeram o mesmo em Angola” e que “ninguém se queixou do ambiente de negócios, das facilidades institucionais, das parcerias constituídas”.
“Se alguma coisa corre mal, os problemas resolvem-se nas sedes próprias e nunca na comunicação social angolana”, observa. Contudo, referindo-se diretamente a políticos – como João Soares e Francisco Louçã -, ou jornalistas – ao casal José Eduardo Moniz (apelidado de “consultor de telenovelas”) e Manuela Moura Guedes -, o Jornal de Angola aborda o peso das críticas portuguesas.


“A situação é de tal forma anómala que até fica a ideia de que quem quiser fazer carreira política em Portugal tem que dizer mal do Presidente de Angola, dos políticos angolanos que fazem parte do partido [MPLA] que venceu as eleições com maioria qualificada, dos nossos empresários, mesmo dos que investem elevadas somas para ajudar Portugal a sair da crise”, acrescenta.
Para o Jornal de Angola, em Portugal “chegam ao cúmulo de levantar suspeitas sobre a origem do dinheiro dos angolanos”, mas “ninguém quer saber da origem do dinheiro” de investidores de outras nacionalidades.
“É uma pura e seletiva perseguição aos interesses angolanos”, lê-se, assumindo o jornal que “se há dúvidas quanto à origem das suas fortunas [angolanos], as autoridades competentes que investiguem” e depois “tirem as suas conclusões”.

“Mas é inadmissível que todo o cão e gato em Portugal ponham em causa a origem do dinheiro dos empresários angolanos que investem naquele país. É inadmissível que levantem suspeitas sobre investidores angolanos no caso dos vistos ‘gold’ e, uma vez conhecida a lista dos que investiram em troca desse visto, não está lá nenhum angolano”, afirma o diário estatal.
Assume por isso que “os portugueses têm que decidir de uma vez por todas se querem ou não os angolanos como parceiros” e que se Portugal “quer desenvolver a cooperação com Angola, não pode depois haver perseguição a cidadãos angolanos que dão o seu melhor para que os acordos de cooperação em vigor tenham sucesso”.
“Atirar com nomes de angolanos para as páginas dos jornais ou dos meios audiovisuais como estando envolvidos em atos ilícitos é uma deslealdade que começa a cansar”, avisa o diário.
O editorial remata recordando que a empresária Isabel dos Santos, ao entrar na corrida à compra da Portugal Telecom, “foi logo nomeada como a ‘filha do Presidente de Angola'”. “Uma atitude deselegante e desrespeitosa que não pode ser admitida. Os outros interessados não têm pai nem mãe. São apenas investidores”, observa, ao mesmo tempo que elogia os empresários portugueses Belmiro de Azevedo, Américo Amorim Alexandre dos Santos.
Recordando que o ministro do Interior de Angola, Ângelo Veiga, denunciou na segunda-feira “estrangeiros e partidos políticos angolanos como autores de manobras de destabilização” no país, o jornal diz esperar que a recente visita do presidente da UNITA, Isaías Samakuva, a Lisboa e outros capitais europeias “não tenha sido o princípio da conspiração”. “Na vida há limites para tudo, até para a deslealdade”, remata.

Ministra do Interior - Anabela Rodrigues

Anabela Rodrigues, a nova Ministra

"O primeiro-ministro escolheu Anabela Rodrigues para substituir Miguel Macedo como ministro da Administração Interna. A nova ministra é actualmente presidente da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, é professora de Direito e Processo Penal, membro do Conselho Superior de Magistratura e foi directora do Centro de Estudos Judiciários (nomeada em 2004). É a primeira mulher a assumir a pasta da Administração Interna." (IOnline)

Operação Labirinto na pesca do "polvo"

É assim como se fosse um comtrato clandestino.
O "polvo" anda mesmo por aí

"Filho da secretária geral da Justiça recebe mais de 1500/mês do IRN desde 2008"

#A empresa do filho da secretária--geral da Justiça, Flowmotion, recebe mensalmente desde 2008 mais de 1500 euros do Instituto dos Registos e Notariado (IRN) por consultoria. A empresa de Bruno Anes é um dos alvos da Polícia Judiciária no âmbito da Operação Labirinto, que investiga uma alegada teia de atribuição de vistos gold mediante pagamentos a responsáveis com poder de decisão.
Dois dos 11 detidos na última quinta-feira foram Maria Antónia Anes, secretária-geral da Justiça, e António Figueiredo, presidente do Instituto de Registos e Notariado, seu amigo, que assinou o contrato de prestação de serviços em 2008 da empresa de Bruno Anes.
Segundo o i apurou, a empresa Flowmotion chamou a atenção dos investigadores da PJ por ter como sócio o filho de uma das suspeitas no caso de atribuição de vistos, e de fazer consultoria para o IRN, cujo presidente também fora detido. Apesar de ainda não ser certo que esta empresa está directamente envolvida na atribuição de vistos gold a cidadãos não europeus, os investigadores do Departamento Central de Investigação e Acção Penal e os inspectores da PJ consideram--na importante para perceber as ligações de toda esta alegada rede que conta com a participação de altos funcionários da administração pública." (IOnline  )